Lisboa menina e moça e o Homem das castanhas

E porque outros antes de mim se apaixonaram por esta Lisboa cidade, aqui fica a minha homenagem a quem o fez!

Lisboa menina e moça
Ary dos Santos - Paulo de Carvalho

No castelo
Ponho um cotovelo
Em Alfama
Descanso o olhar
E assim desfaz-se o novelo
De azul e mar
À ribeira encosto a cabeça almofada
Na cama do tejo
Com lençóis bordados à pressa
Na cambraia de um beijo

Lisboa menina e moça, menina
Da luz que meus olhos vêem tão pura
Teus seios são as colinas, varina
Pregão que me traz à porta, ternura
Cidade a ponto luz bordada
Toalha a beira mar estendida
Lisboa menina e moça, amada
Cidade mulher da minha vida

No terreiro eu passo por ti
Mas da graça eu vejo te nua
Quando um pombo te olha, sorri
És mulher da rua
E no bairro mais alto do sonho
Ponho o fado que soube inventar
Aguardente de vida e medronho
Que me faz cantar

Lisboa menina e moça, menina
Da luz que meus olhos vêem tão pura
Teus seios são as colinas, varina
Pregão que me traz à porta, ternura
Lisboa do meu amor deitada
Cidade por minhas mãos despida
Lisboa menina e moça, amada
Cidade mulher da minha vida


O Homem das castanhas
Ary Santos - Paulo de Carvalho

Na praça da figueira
Ou no jardim da estrela
Num fogareiro aceso é que ela arde
Ao canto do outono
À esquina do inverno
O homem das castanhas é eterno
Não tem eira, nem beira, nem guarida
E apregoa como um desafio
É um cartucho pardo a sua vida
E se não mata a fome, mata o frio

Um carro que se empurra
Um chapéu esburacado
No peito uma castanha que não arde
Cai a chuva nos olhos
E tem um ar cansado
O homem que apregoa ao fim da tarde
Ao pé de um candeeiro acaba o dia
Voz rouca como o trapo da pobreza
Apregoa pedaços de alegria
E a noite vai dormir com a tristeza

Quem quer quentes e boas quentinhas
A estalarem cinzentas, na brasa
Quem quer quentes e boas quentinhas
Quem compra leva mais calor pra casa

A mágoa que transporta
É miséria ambulante
Passeia pela cidade o dia inteiro
É como se empurrasse o outono adiante
É como se empurrasse o nevoeiro
Quem sabe a desventura do seu fado
Quem olha para o homem das castanhas
Nunca ninguém pensou que ali ao lado
Ardem no fogareiro dores tamanhas

Comentários

Mensagens populares