Pequeno-almoço no Martinho da Arcada

Terça-feira tomei o pequeno-almoço no Martinho da Arcada.
O sol beijava o Tejo e dava mais cor ao amarelo dos Ministérios.

Gente apressada passava sem ver Botero e as suas esculturas.

Embebedei-me de Lisboa e de vida. Senti o sangue percorrer cada milímetro das minhas veias. Senti a alma expandir-se-me no corpo e renasci das minhas próprias cinzas.

Veio-me de novo a vontade de viver e de lutar, de escrever e de triunfar. E de ser livre!

Senti, uma vez mais, a dicotomia amor-liberdade e a incapacidade de equilibrar tais elementos.

Estarei eternamente condenada à solidão criadora? Ou ao amor repetitivo?

Quero criar! Mas quero amar também...

A criação exige tempo. O amor exige ainda mais. Sem saber ainda a resposta, no sol que aquecia as arcadas do Martinho senti, contudo, a coragem de ser livre. De ser criadora.

(c) Dulce Dias – 1998-04-09

Comentários

Mensagens populares